TAU - Comentários do Filme!

Longa tem um potencial incrível, que é desperdiçado

Foto: Reprodução
A Netflix estreou na última semana a sua nova ficção científica, TAU, que parece ser um amontado de idéias geniais, que não chegam em ponto algum...

Uma mistura de Ex_Machina com Black Mirror com Jogos Mortais e um pouquinho da I.A. de The 100, o longa-metragem TAU, conta a história de Julia, interpretada por Maika Monroe, que é raptada por um cientista maluco, que está desenvolvendo sua inteligência artificial (TAU), e depende de pesquisas com o celebro humano para completá-lo.

O filme começa bem, com cenas de encher os olhos, cores vibrantes, uma premissa interessante, até que a protagonista (uma esperta vigarista) é sequestrada e acorda num quarto sem informações, e a partir daí o longa começa a se perder... Em um primeiro momento, somos apresentados à um grupo de ‘cobaias’, que aparecem poucos minutos em cena, e são mortos de maneira ‘estranha’, o que nos remete um pouco à Jogos Mortais, bem genérico.
Através do que vimos pelo trailer, esperávamos um thriller, o que é totalmente desconstruído quando o principal objetivo de Julia passa a ser sair da casa, o que é impedido por TAU, um avançadíssimo sistema de Inteligência Artificial desenvolvido por Alex (Ed Skrein), ou seja, o filme tenta achar sua própria originalidade, e se perde em meio à várias ideias desconexas.

Ao buscar essa personalidade, o longa entra em uma área pouco explorada, que é o grande chamariz do filme - que fica subentendido na sinopse e nos trailers, a humanização das máquinas, e a maquinação dos humanos. Vemos um cientista obcecado em terminar seu projeto, e uma I.A. que quer ser humano.

O longa tenta, mas não consegue ter uma profundidade, embora consiga encontrar uma identidade própria, sendo ofuscada por diálogos que beiram o ‘pífio’, e com escolhas dramatúrgicas duvidosas pela direção, deixando o filme tedioso.
Foto: Reprodução
No quesito visual, o filme é bom, mas não impressiona, a premissa de que uma I.A. de última geração, é usada apenas como uma faxineira e guarda, mas é aprisionada por seu criador em uma pequena realidade, é interessante, mas erra friamente na direção e edição.

Vemos uma protagonista artificial, um antagonista sem emoções, e uma inteligência artificial humanizada, que se torna um empregada doméstica de Alex, e que acaba se apaixonando por Júlia, ou seja, o longa perde todo o seu potencial, em algo que já vimos.

TAU tinha um potencial incrível, que peca em um enredo mal explorado e cansativo, com um roteiro que beira o clichê, deixando a trama previsível, não há desenvolvimento algum, a I.A. parece ter dupla personalidade, e termina com um final RIDÍCULO. Como a Netflix deixou passar algo tão mal trabalhado?
(Foto:Reprodução) 1,5
TAU - Comentários do Filme! TAU - Comentários do Filme! Reviewed by João Vitor Mendes Amorim on 13:36 Rating: 5
Comentários (mostrar/esconder)
 

É destaque!